Os caminhoneiros de Realeza e região Sudoeste aderiram a paralisação nacional liderada pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), iniciada no dia 25, quarta-feira, Dia do Motorista e São Cristóvão.

A classe é contrária a Lei 12.619/2012, aprovada no dia 14 de julho pela presidente Dilma Rousseff, que entre as normas, limita a jornada de trabalho diária em oito horas, além da obrigatoriedade de a cada quatro horas de trabalho que seja realizado 30 minutos de descanso.
Em Realeza, os piquetes foram montados na rodovia PR 182 na saída ao município de Planalto, e no trevo de saída ao município de Cascavel. Os caminhões e carretas permaneciam por cerca de quatro horas parados, veículos de passeio, emergência e transporte coletivo tinham passagem livre do bloqueio.
Várias associações aderiram ao manifesto pacífico, entre elas, a Associação dos Motoristas de Realeza (AMORE), Associação do Transporte de Realeza (ATR), e motoristas autônomos. Segundo, um dos membros da AMORE, Valmir da Silva, a paralisação continua até que o governo negocie com o MUBC. Os motoristas também manifestaram a insatisfação com o alto preço do combustível e impostos.
Até a tarde de quinta-feira (26), o Movimento União Brasil Caminhoneiro havia registrado paralisações nos Estados: do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, e Bahia. Na região Sudoeste, os piquetes foram montados em Realeza, Capanema, Marmeleiro, Pranchita, Coronel Vivida, e Francisco Beltrão.
fonte: (http://www.liberalonline.com.br)