Quantas vezes os adultos nos apavoraram quando éramos crianças sobre os estragos que o chiclete pode fazer se o engolíssemos?
Frases como “isso vai grudar seu estômago” ou “se você engolir um chiclete, ele ficará em sua barriga por sete anos” eram sempre repetidas.
É mito ou verdade que engolir chiclete faz mal? O que, de fato acontece conosco quando uma goma de mascar vai parar no sistema digestivo?
Antes de tudo, você precisa saber que chicletes são feitos à base de goma, açúcares, corantes e flavorizantes. Essa mistura é realmente indigesta, o que significa que ela levará mais tempo para ser digerida. Mas não, ele não gruda no  estômago ou no intestino.
“Engolir o chiclete não traz problemas. Mesmo assim, não se recomenda que a pessoa engula porque ele não é um alimento”, explica o gastroenterologista Guilherme Becker.
O chiclete, caso engolido, é eliminado junto com as fezes. O recomendável é que crianças pequenas, de dois anos para baixo, não  masquem a guloseima. Caso seja engolida, a goma pode entrar pela traquéia e causar asfixia.
O chiclete, geralmente, é constituído por quatro ingredientes: aromatizantes, adoçantes, amaciantes e a base da goma. Esta última é feita de substâncias químicas sintéticas, que permitem que o chiclete seja mastigável e nunca seja triturado ou dissolvido. Trata-se de um látex, parecido com borracha mesmo.
Não há perigo real de se engolir um chiclete. Porém, se o sujeito mascasse mais de dez chicletes juntos e engolisse a bolona poderia obstruir a saída do estômago ou do intestino, em razão da quantidade de goma.
Esta é uma invenção da década de 1860, quando o fabricante de doces Thomas Adams começou a produzir o chiclete de sua marca, até hoje na famosa caixinha amarela.
Lembrando que ficar mascando por muito tempo não é um hábito muito legal. Motivo: a mastigação estimula o organismo a produzir enzimas digestivas, mas como elas não têm o que digerir, ficam lá, perdidas no estômago. A mucosa interna do estômago, se for um pouco mais sensível, pode até ficar prejudicada.