Café é instrumento de trabalho pra muita gente. Para grande parte das pessoas, só de pensar em viver sem o pretinho de cada dia, já dá crise de abstinência. Entretanto, um estudo apontou que abusar desta que é considerada uma das bebidas mais antigas do mundo é perigoso.
De acordo com a pesquisa, publicada na revista Mayo Clinic Proceedings, consumir mais de quatro xícaras da bebida diariamente pode aumentar o risco de morrer antes dos 55 anos.Os cientistas descobriram que o consumo de 28 xícaras de café por semana multiplica por dois o risco de morte prematura. Os resultados do estudo norte-americano feito com 43.727 pessoas com idade entre 20 e 87 anos faz os pesquisadores suspeitarem que o consumo de café em excesso pode afetar negativamente o metabolismo do corpo, superando alguns benefícios que a bebida traz à saúde. Cerca de 2.500 mortes foram computadas durante os 16 anos de estudo. Pouco menos de 33% foi por causa do coração e doença arterial.
Os participantes que beberam mais café também foram mais propensos a fumar e tinham corações e pulmões menos saudáveis. O risco de morte por todas as causas se elevou em 56% para os homens e mulheres com idade inferior a 55 anos que consumiam mais de quarto xícaras de café por dia.
Os cientistas acreditam que o café contém inúmeras substâncias diferentes, que podem ter bons e maus efeitos sobre a saúde. Isso implica que o problema não é o consume em si, mas a quantidade de ingestão da bebida.Pesquisas recentes têm mostrado que o café é uma importante fonte de antioxidantes na dieta, e pode até mesmo reduzir a inflamação e aumentar a função cerebral. Por outro lado, ele estimula a libertação de adrenalina, inibe a atividade da insulina e aumenta a pressão sanguínea e os níveis de homocisteína, um produto químico prejudicial à saúde, associado a doenças cardíacas e demência. Como tudo na vida, o lema classic serve neste caso: “beba com moderação!”.